Translate

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

A clínica nos EUA onde milionários 'desconectam’ filhos viciados em celulares e internet

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Sete sinais da depressão

  •  1. Tristeza profunda

  • Todos nós ficamos tristes e desanimados de vez em quando. Muitas vezes, desejamos não ter de levantar da cama, não ter de trabalhar naquele dia. Mas períodos de tristeza intensos e frequentes, que acabam afetando o cotidiano, levam à depressão. Com a tristeza vem crises de choro, o isolamento e a sensação de solidão.
  • 2. Distúrbios do sono

  • Na depressão, devido à ansiedade, é comum a pessoa ter insônia. E quando ela finalmente consegue dormir, o sono é agitado e não reparador, o que contribui para o cansaço diurno.
  • Outro distúrbio é a hipersonia. Ela dorme muitas horas seguidas durante a noite e fica sonolenta no período em que está acordada.
  • 3. Pensamentos negativos

  • "A vida é uma droga!", "As pessoas não gostam de mim.", "Jamais vou conseguir!", "Sou um fracasso!", "Nem adianta tentar.", "Sou feio/gordo/magro demais/sem graça!", "Seria melhor se eu estivesse morto.", "Não dá para confiar em ninguém!", "Vou me matar!", são exemplos de pensamentos de uma pessoa em depressão. Ela perde a crença em si mesma, nos outros e na vida.
  • 4. Desinteresse e apatia

  • Ela perde o interesse pelas pessoas, por sexo, por trabalhar, por se divertir, pela vida de uma maneira geral.
  • 5. Baixa autoestima

  • A baixa autoestima gera ansiedade, medo e depressão. Uma pessoa com a autoestima abalada inferioriza-se, não se considera à altura daqueles que estão à sua volta, seja física ou intelectualmente.
  • É comum pessoas muito acima e, algumas vezes, muito abaixo do peso, apresentarem depressão. Segundo este site de psicologia, "aproximadamente 30% das pessoas que procuram tratamento para emagrecer apresentam depressão. Em comparação com os magros, quem sofre com o excesso de peso tem até três vezes mais risco de, em alguma fase da vida, ficar deprimido".
  • 6. Desleixo com a aparência

  • A pessoa perde o prazer de se arrumar, de tomar banho, de ficar bonita.
  • 7. Dores físicas

  • Além da tristeza profunda, a depressão manifesta-se fisicamente através de vários tipos de dores. Alguns especialistas dizem que muitas vezes a pessoa se torna mais sensível à dor. Os sintomas mais comuns são:
    • Dores abdominais e desconforto de origem gastrointestinal, inclusive distúrbios, como gastrite, síndrome do intestino irritável, entre outros.
    • Dor de cabeça.
    • Dores no corpo causadas por tensão muscular, principalmente na região da nuca, ombros e costas.
    • Dor e sensação de aperto no peito.
    • Sensação de ter algo preso na garganta.
  • Se você apresenta alguns ou vários sintomas listados acima, procure um profissional (psicólogo ou psiquiatra) com urgência para obter um diagnóstico preciso. A depressão é uma doença séria, ainda que muitas vezes silenciosa. Se não tratada, os prejuízos para a sua saúde, para sua vida familiar, social e profissional serão ainda maiores. Ela pode, inclusive, levar à morte.
    FONTE: https://familia.com.br/10000/7-sinais-que-mostram-que-voce-tem-depressao

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

OMS reconhece o transtorno por videogame como problema mental



A Organização Mundial da Saúde (OMS) incluirá, pela primeira vez, o transtorno por videogame como doença mental, ao adicioná-lo à sua próxima edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-11). A possibilidade de que os videogames causem transtornos patológicos (ou mesmo viciem) foi um assunto longamente discutido e este seria o primeiro passo firme que se dá nessa direção, que, sem dúvida, causará uma grande controvérsia no âmbito científico pelas dúvidas – e rechaço – que esta classificação provoca.
Este transtorno se caracteriza por um padrão de comportamento de jogo “contínuo ou recorrente” e, embora ainda não tenha sido concluída a definição, a OMS vincula o novo transtorno a três condições negativas provocadas pelo mau uso dos jogos digitais. Em primeiro lugar, por não controlar a conduta de jogo quanto ao início, frequência, intensidade, duração, finalização e contexto em que se joga. Segundo, o aumento da prioridade que se outorga aos jogos em relação a outros interesses vitais e atividades diárias. E terceiro, ao se manter a conduta ou ocorrer uma escalada “apesar da ocorrência de consequências negativas”, segundo o esboço atual em preparação pela OMS. O transtorno se refere ao uso de jogos digitais ou videogames, que pode ocorrer mediante conexão com internet ou sem ela.
“Os profissionais da saúde têm de reconhecer que os transtornos do jogo podem ter consequências graves para a saúde”, afirmou Vladimir Poznyak, responsável pelo Departamento de Saúde Mental e Abuso de Substâncias da OMS, em declarações à New Scientist, que antecipou a notícia. Consultada pelo EL PAÍS, a OMS confirma a informação, adianta que o CID-11 estará pronto em 2018 e insiste em um aspecto: o transtorno por videogames não terá item específico, mas aparecerá englobado num mais amplo, de jogos digitais.
Poznyak esclarece que a maioria das pessoas que jogam videogame não sofre nenhum transtorno, o que também é o caso da maioria das pessoas que bebe álcool. Mas há circunstâncias em que o uso excessivo pode gerar efeitos adversos, de acordo com este especialista da OMS.
O padrão de comportamento deve ser de gravidade suficiente para causar uma deterioração significativa nas áreas de atuação pessoal, familiar, social, educativa, ocupacional e outras áreas importantes, explica o esboço da OMS. “O comportamento do jogo e outras características são normalmente evidentes durante um período de pelo menos 12 meses para que se atribua um diagnóstico, embora a duração requerida possa ser encurtada se estão identificados todos os requisitos do diagnóstico e os sintomas são graves”, observa.
A OMS começou a avaliar esse transtorno há uma década e depois de anos de trabalho com profissionais de saúde mental decidiu reconhecer a desordem oficialmente em seu próximo manual de diagnóstico. Mas não outros supostos problemas relacionados com a tecnologia, como o vício nos celulares ou na Internet, que, desde sua irrupção, sempre estão presentes no debate público, embora nem tanto entre os especialistas.
"Não está nada claro que estes problemas possam ou deveriam ser atribuídos a um novo transtorno", criticam outros especialistas
“É preciso distinguir o que são vícios e o que é uso problemático, por exemplo, se causa danos a você ou a terceiros com essa conduta”, explica a especialista Helena Matute, referindo-se a esta nova classificação dos jogos digitais. Esta catedrática de Psicologia Experimental da Universidade de Deusto lembra que foi incluído o vício em jogo com apostos na última edição do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM, a bíblia da psiquiatria). “Mas dizia que era preciso mais investigação sobre esses outros problemas, como o dos jogos com várias pessoas na Internet, por exemplo”, afirma.
No início de 2017, quando se soube que a OMS estudava incluir os jogos digitais como possível origem de transtornos mentais, um grupo de especialistas publicou um artigo no qual criticava seriamente a ideia. “As preocupações sobre os comportamentos de jogo problemáticos merecem toda nossa atenção”, diziam, mas “não está nada claro que esses problemas possam ou deveriam ser atribuídos a um novo transtorno”. A partir daí, apontavam suas dúvidas sobre a qualidade da base de pesquisa e a falta de consenso sobre os sintomas a levar em conta. Por isso, acreditavam que essa ideia “tem repercussões negativas em matéria médica, científica, de saúde pública e social” por causa do pânico moral que pode provocar ou a “aplicação prematura do diagnóstico na comunidade médica e o tratamento de casos falsos positivos abundantes, especialmente para crianças e adolescentes”. Por tudo isso, concluíam que a classificação “deve ser eliminada para evitar o desperdício de recursos de saúde pública e danos aos jogadores de game saudáveis de todo o mundo”.
FONTE: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/21/actualidad/1513852127_232573.html

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Exercício para o relaxamento do corpo e da mente.

Conceição Trucom*
Deite-se no chão, sobre um cobertor, os braços ao longo do corpo, as pernas ligeiramente abertas. Feche os olhos muito lentamente. Aja com o ânimo calmo e a consciência do que está se passando. Para facilitar o exercício, aconselha-se gravar as instruções numa fita e escutá-las quando se está deitado e com os olhos fechados; isso possibilita a realização do exercício em completa passividade, e isso o torna muito mais fácil.

  1. Aperte a mão direita inspirando (pensando na mão), relaxe-a expirando (pensando). Prossiga nos outros exercícios sempre pensando durante a inspiração e a expiração.
  2. Aperte a mão esquerda inspirando, relaxe-a expirando.
  3. Com a perna direita sobre o chão, dobre o pé direito de modo que os dedos apontem na direção do joelho. Crie uma tensão inspirando, relaxe a tensão expirando.
  4. Repita agora com o pé esquerdo.
  5. Aperte as nádegas uma contra a outra inspirando, relaxe-as expirando.
  6. Aperte os maxilares inspirando, relaxe-os expirando.
  7. Aperte os olhos inspirando, relaxe-os expirando.
  8. Ao perceber algum ponto do organismo que apresenta tensões residuais, inspire e provoque nesse ponto uma tensão forte e voluntária, e em seguida solte o ar lentamente, relaxando aquele ponto e pensando: "Relaxe... Solte..."
  9. Formule mentalmente as seguintes frases e tome consciência do que acontece em seu corpo a partir das afirmações:
•    Meu braço direito está pesado... Muito pesado...
•    Meu braço esquerdo está pesado... Muito pesado...
•    Minha perna direita está pesada... Muito pesada...
•    Minha perna esquerda está pesada... Muito pesada...
•    Todo o meu corpo está pesado... Muito pesado...
  • 10. Siga o ritmo da respiração, acompanhando-a com a palavra "vem", quando o ar entra, e a palavra "vai" quando ele sai. Imagine o ar puro como luz que entra, e uma fumaça escura e quente quando sai, levando junto as ansiedades, tensões e toxinas.
Nota: Para quem acha difícil relaxar, lembramos que as vitaminas do grupo B são ligadas ao sistema nervoso e uma carência das mesmas pode provocar nervosismo. A título de informação, é bom saber que o açúcar refinado necessita, para ser assimilado, das vitaminas em questão. O abuso de açúcar (biscoitos, chocolates, balas, bolos e geléias) pode, assim, causar insônia e agitação.
Algumas carnes (os assim chamados "frios', inclusive) tendem a criar nervosismo, pois fornecem muitas energias que o trabalho sedentário não consegue utilizar; a distância entre duas refeições à base de carne (frios, peixe e aves incluídas) não deve ser inferior a 48 horas.
Fonte: Revista Planeta 411 - Editora 3
https://www.docelimao.com.br/site/cerebro-a-mente/a-pratica/902-exercicio-para-o-relaxamento-profundo-de-corpo-e-mente.html

Abra sua mente.